Valorização dos profissionais, obras e transporte foram destaque em audiência da Educação

Valorização dos profissionais, obras e transporte foram destaque em audiência da Educação

A Comissão de Educação da Câmara do Rio realizou na segunda-feira (21), em Santa Cruz, mais uma audiência pública regionalizada. Com um público aproximado de 1.200 pessoas, a reunião teve como objetivo analisar o desempenho e ouvir professores, pais e funcionários da 10ª CRE, que abrange, entre outros, os bairros de Santa Cruz, Paciência, Sepetiba e Guaratiba. O encontro foi presidido pelo vereador Prof. Célio Lupparelli. Participaram ainda a coordenadora da CRE, Professora Maria das Graças Müller; a chefe de gabinete da Secretaria Municipal de Educação (SME), Professora Heloisa Sermúd Braz; e representantes dos professores, alunos, responsáveis e funcionários, todos membros do Conselho Escola Comunidade.

Algumas turmas do ensino fundamental e educação infantil fizeram apresentações de danças na abertura do evento. O destaque, contudo, foi a apresentação dos alunos da Escola Especial Municipal Doutor Hélio Pellegrino, que emocionou os presentes.

O vereador Prof. Célio Lupparelli lembrou a realização de audiência pública, no dia 8 de outubro, no plenário da Câmara, que debateu a educação especial e inclusiva na rede municipal de ensino. O parlamentar se comprometeu a promover outra audiência que irá discutir a questão da segurança pública no entorno das escolas.

A 10ª CRE possui um total de 189 unidades escolares, sendo 35 creches, 38 EDIs e 116 escolas. Ao todo são 94.942 alunos distribuídos em 3.241 turmas. No ensino especial são 1.762 alunos incluídos e 653 alunos nas salas de recurso. A SME foi questionada se haveria algum planejamento para diminuir a disparidade entre o número de alunos incluídos e assistidos nas salas de recurso. A professora Maria das Graças Müller informou que está nas metas da CRE o aumento do número de alunos nestes ambientes.

Outro tema abordado foi o transtorno causado pela carência de profissionais nas diversas áreas. Só no ensino fundamental, com carga de 40 horas, são 523 professores, com 44 licenciados e necessidade de 48 profissionais. A professora Heloisa Sermúd informou ter solicitado ao Instituto Helena Antipoff um estudo para o aumento no número de estagiários para a educação especial, enquanto um novo concurso para agente educador está previsto para o próximo ano.

A distância geográfica da região e a dificuldade de transporte também foram questionamentos recorrentes. Os profissionais pediram o retorno do benefício de Difícil Acesso e aprimoramento do programa Ônibus da Liberdade. Segundo a representante da SME, a volta do incentivo e a avaliação da renovação do convênio com as empresas de ônibus estão sendo analisadas pela Comissão de Programação e Controle da Despesa (CODESP) e pela Subsecretaria de Integração e Controle Urbano (SUBIC).

Uma preocupação que foi quase unânime entre os professores foi a necessidade do respeito à dedicação de um terço da jornada ao planejamento. A professora Heloisa Sermúd informou que a secretaria está desenvolvendo um estudo individualizado para cada professor.

A climatização das salas também foi alvo dos questionamentos dos participantes. Segundo informado pela coordenadoria, 83, 5% das unidades são climatizadas, porém, de acordo com depoimentos colhidos na audiência, muitas unidades aguardam as intervenções do programa Conservando Escolas, além disso, um grande número de aparelhos necessita de manutenção. A chegada do verão e as altas temperaturas na região preocupam os professores. Os participantes cobraram também outras ações que envolvem a precarização de algumas escolas, a necessidade de obras estruturais e uma adequada manutenção das unidades.

Em suas considerações finais, o presidente da comissão alertou para o fim do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb), previsto para o próximo ano, e convocou os presentes na audiência para a mobilização em torno do tema. Ele convidou a todos para participar de uma audiência pública que irá discutir o tema no próximo dia 7 de novembro, às 9h30, no Plenário da Câmara do Rio.