O caso do extravasamento de óleo no Nordeste. Fatos e necessidades

O caso do extravasamento de óleo no Nordeste. Fatos e necessidades

O Brasil é reconhecido mundo afora, principalmente, por suas belezas naturais, dentre as quais se destacam as praias de nossa vasta extensão litorânea, classificada entre as 20 maiores do mundo.

Em nossa faixa de litoral, encontramos diversos ecossistemas que apresentam enorme biodiversidade e condições que permitem o exercício de atividades que possuem grande potencial de desenvolvimento socioeconômico às regiões da costa, sejam na produção científica, na pesca, nos diferentes tipos de turismo, na produção de sal, na exploração de reservas de petróleo, entre outras.

Neste momento, muito tristemente, acompanhamos o alastramento de uma grande mancha de óleo cru sobre esses ecossistemas (mais especificamente, no litoral nordeste), e que já representa, segundo especialistas, um dos maiores desastres ambientais por vazamento de óleo de uma mesma origem, no Brasil.

A mancha de petróleo cru, pode gerar intoxicação por contato direto e indireto aos seres vivos, através da impregnação da pele, inalação, deglutição, e por bioacumulação, não só aos indivíduos da flora e fauna marinhos, mas, também, aos pertencentes aos ecossistemas associados, como no caso dos manguezais.

Além disso, nos mares, a mancha pode impedir a penetração da luz solar na água, imprescindível à realização da fotossíntese por parte dos organismos fito planctônicos, levando-os à morte. Isso, por consequência, pode gerar um efeito em cadeia, culminando na morte de inúmeros outros indivíduos da flora e fauna.

Paralelamente ao citado, segundo temem alguns especialistas, ainda há a possibilidade do espalhamento do óleo ter efeitos negativos sobre o ciclo reprodutivo de baleias Jubarte e dos golfinhos, nossos visitantes constantes.

O quadro é de tal forma alarmante que, além de todos os problemas citados anteriormente, a dispersão do óleo gera reflexos diretos e indiretos sobre as economias locais, seja por meio da pesca, turismo, ou quaisquer outras atividades que dependam desses ambientes para sua manutenção.

Já são mais de 130 pontos, de 61 cidades, em 9 Estados afetados pelo grave dano ambiental, que, certamente levará anos até que seja totalmente eliminado, e se restabeleça o equilíbrio dos ambientes atingidos.

Desta forma, mediante tantas consequências terríveis, é flagrante que urge em nosso país, a necessidade do maior interesse de nossos políticos sobre a temática ambiental, e que se proponham políticas públicas que gerem maior agilidade, eficácia e eficiência na contenção de desastres ambientais como este e todos os outros que temos acompanhado nos últimos tempos no Brasil, além da rápida e contundente responsabilização aos agentes causadores dos mesmos.