Comissão propõe melhorias para a educação especial e inclusiva

Comissão propõe melhorias para a educação especial e inclusiva

A Comissão de Educação realizou Audiência Pública nessa terça-feira (8), para debater a educação especial e inclusiva na rede municipal de ensino. Os parlamentares integrantes cobraram transparência nos dados da Prefeitura e a criação de mais salas de recursos para atender aos alunos.

O presidente da comissão, vereador Prof. Célio Lupparelli, destacou que o evento é fruto de demandas da população durante as audiências públicas externas com cada Coordenadoria Regional de Educação (CRE).

De acordo com a diretora do Instituto Helena Antipoff, professora Kátia Cristina Vieira Nunes da Silva, a educação especial avançou muito no município. “Antes não havia visibilidade para discutir uma política tão desafiadora de ser implantada. Há 9 anos, nós só tínhamos 14 salas de recursos e hoje já estamos com 514 salas”.

Representando a secretária municipal de Educação, Talma Romero Suane, a coordenadora de Recursos Humanos, Daniele Pereira, destaca que dobrou a quantidade de estagiários para atender aos alunos especiais, saindo de 1, 5 mil para as 3 mil vagas atuais. Daniele Pereira reconheceu a dificuldade em manter os profissionais lotados em bairros da Zona Oeste devido aos pedidos de remoção para outras partes da cidade.

Os responsáveis pelos alunos e servidores criticaram o fechamento de salas de recursos, obrigando os estudantes a mudar de turno. Os pais ainda pediram a realização de uma parceria com a Secretaria de Saúde para auxiliar no atendimento. A política de contratação de estagiários foi condenada devido à alta rotatividade dos profissionais. Já os estagiários criticaram a falta de treinamento e o atraso no pagamento das bolsas.

Ao término da audiência, os integrantes da Comissão cobraram cinco providências da Secretaria referentes a prazos, orçamento e planejamento: expandir as salas de recursos visando a sua universalização; integralizar a oferta de educação física, artes, música e sala de leitura para as classes especiais; garantir as 40 horas para professores da sala de recursos; expandir o número de agentes de apoio de educação especial; e revisar o contrato de transporte adaptado para garantir atividades pedagógicas fora da escola.

Os parlamentares integrantes da Comissão de Educação se comprometeram a realizar uma nova audiência pública, no início de 2020, para acompanhar os avanços no cumprimento das demandas apresentadas.