Salve a água

As escolas do município serão obrigadas a promover palestras sobre o uso racional e sustentável da água para alunos do primeiro ao nono ano. É o que prevê a Lei 6043/15, de autoria do vereador Prof. Célio Lupparelli (DEM), sancionada pelo prefeito Eduardo Paes.

Pela participação da população nas discussões de todos os orçamentos

Algumas Secretarias não levaram o orçamento para a discussão com os vereadores e a população antes da votação. Foi o caso da de Meio Ambiente e da Pessoa com Deficiência. Para impedir a prática, o vereador Prof. Célio Lupparelli apresentou um projeto de emenda à Lei Orgânica que garante a participação da Câmara e da população no Projeto de Lei Orçamentária de todas as Secretarias.

Lei combate o turismo exploratório nas favelas

Lei combate o turismo exploratório nas favelas

Olhar a cidade do alto é um dos grandes desejos da maioria dos turistas que vêm visitar a cidade. Várias favelas do Rio contam com visuais privilegiados das paisagens naturais e outras belezas – e isso influenciou significativamente para que o mercado turístico crescesse nestas localidades. Para regularizar esta situação, o vereador Célio Luparelli, propôs para a Câmara dos Vereadores o projeto de lei nº 1599/2015, que visa tornar algumas favelas em Áreas de Especial Interesse Turístico (AEIT) que, na prática, submeteria estas localidades a um regime específico de urbanização, além de regularização da atividade turística.

Câmara aprova lei para obrigar que uniforme tenha nome da escola

Câmara aprova lei para obrigar que uniforme tenha nome da escola

A responsabilidade de colocar a inscrição nas camisetas, segundo o texto aprovado, é dos pais ou responsáveis

O DIA

 

logo_pref

Rio – A Câmara dos Vereadores aprovou um projeto de lei para obrigar que o uniforme dos mais de 660 mil estudantes da rede pública municipal tenha o nome da escola em que estejam matriculados. Entretanto, a responsabilidade de colocar a inscrição nas camisetas, segundo o texto aprovado, é dos pais ou responsáveis e não da prefeitura, que fornece os uniformes atuais padronizados, sem os nomes dos colégios.

‘Nós não somos táxis’, reage líder de conselheiros tutelares

‘Nós não somos táxis’, reage líder de conselheiros tutelares

ECARIO — A presidente da Associação Municipal dos Conselheiros Tutelares do Rio, Liliane Lobianco, criticou a apreensão de jovens quando não está configurado crime. Numa semana em que a Secretaria de Segurança busca apoio de órgãos de defesa dos direitos das crianças e dos adolescentes para realizar blitzes em ônibus dentro da legalidade, ela afirmou que os conselheiros “não são táxis”.

— Muitos policiais das delegacias acham que nós temos que levar esses adolescentes que não têm nada contra eles em casa. Nós não somos táxis e nem polícia de criança. Se não tem crime, não pode apreender. A maioria dessas crianças consideradas suspeitas é negra e pobre — criticou Liliane.